Carência nos planos de saúde: 4 coisas que você PRECISA saber sobre ela!

Carência nos planos de saúde: 4 coisas que você PRECISA saber sobre ela!

A carência nos planos de saúde é um assunto que gera muitas dúvidas, principalmente porque a ANS define prazos máximos de carência, mas os prazos podem variar bastante de acordo com a operadora contratada e o tipo de plano.

Por isso, antes de contratar seu plano, saiba mais sobre seus direitos e confira nossas dicas com 4 coisas que você precisa saber sobre a carência dos planos de saúde!

Afinal, o que é o período de carência?

Antes de mais nada, vamos esclarecer o conceito do período de carência.

A carência representa um período estabelecido pelas operadoras em que o beneficiário do plano deve pagar pelo serviço, mas ainda não pode usufruir dele.

Ou seja, se você acabou de contratar um plano de saúde, você precisa aguardar alguns dias, talvez até meses para ter acesso a alguns dos procedimentos da operadora.

Esse período pode ser definido pela operadora que você contratou para o plano de saúde, mas a ANS (Agência Nacional de Saúde) estabelece prazos limite a fim de evitar períodos abusivos.

Por isso um plano de saúde deve ser sempre contratado como uma forma de prevenção e não quando você já estiver com alguma complicação que precisa de atendimento médico urgente.

Agora que você já sabe mais sobre a carência, vamos tirar as 4 dúvidas mais comuns sobre ela!

1.  Saiba os prazos máximos de carência definidos pela ANS

Contratou um plano e acha que o prazo de carência dele está muito longo? Saiba seus direitos.

A ANS define um período máximo que as operadoras podem estabelecer como carência.

Confira os prazos máximos abaixo:

  • Urgência e emergência: 24 horas
  • Acidentes pessoais, risco imediato à vida e lesões irreparáveis: 24 horas
  • Complicações no parto: 24 horas
  • Partos a termo (exceto parto prematuro): 300 dias
  • Doenças e lesões preexistentes*: 24 meses
  • Outras situações: 180 dias

A única exceção de carência é em caso de partos prematuros, a operadora deve cobrir as despesas do procedimento, desde que ele tenha sido feito em atendimento de urgência ou emergência.

Baseado nisso, as operadoras podem definir esse prazo máximo ou oferecer carências menores como atrativo para o consumidor.

Mas se você viu algum plano de saúde com períodos exigidos maiores que esses, entre em contato com a ANS e faça uma reclamação.

*Doenças preexistentes: quando o beneficiário contratou um plano de saúde já sabendo possuir alguma doença.

2.  O plano de saúde sem carência geralmente é um MITO!

Se durante sua busca por um plano de saúde você ouviu de algum corretor que existem opções de planos sem carência, tome cuidado com essa informação.

Os planos com carência zero são muito raros e limitados para poucos tipos de contratante, como organizações com muitos funcionários.

Isso porque as operadoras beneficiam contratações de planos em larga escala.

Ou seja, se você está em busca apenas de um plano de saúde familiar, não acredite nessa. Planos individuais e familiares possuem carência.

Para saber mais sobre esse assunto acesse nosso artigo e entenda mais sobre quem pode ter o benefício dos planos de saúde com carência zero.

3.  Recém-nascidos NÃO precisam cumprir carência sempre!

Uma das maiores preocupações das mamães é se, após o parto, elas terão que se preocupar com o bebê recém-nascido cumprindo carência. Por isso, é importante se prevenir e contratar um plano antes mesmo de planejar sua gestação.

Se você está grávida e já tem um plano de saúde saiba que o seu bebê terá os mesmos direitos que você.

Dessa forma, se você já cumpriu todos os prazos de carência, o recém-nascido automaticamente terá cumprido também.

Contudo, é importante que o bebê seja registrado no plano de saúde em até 30 dias após seu nascimento.

Caso o registro não ocorra dentro desse período, o pequeno terá que cumprir os prazos normalmente, o que é um perigo para a saúde do seu filho.

A boa notícia é que se a mãe não tiver cumprido seus prazos de carência, mas o pai sim, ele também tem o direito de incluir o bebê no serviço como seu dependente.

4.  Você NÃO precisa cumprir carência ao fazer portabilidade para um novo plano de saúde!

Se você está insatisfeito com seu plano de saúde e quer trocar de operadora, saiba que, em alguns casos, você pode fazer isso sem ter que cumprir mais um longo prazo de carência e sem ter que pagar novas taxas.

Para fazer a primeira portabilidade do seu plano de saúde sem carência, você:

  • Deve ser beneficiário do plano de saúde há no mínimo 2 anos;
  • Deve ser beneficiário do plano de saúde há no mínimo 3 anos, caso você tenha cumprido Cobertura Parcial Temporária (CPT);
  • Não pode estar cumprindo o período de carência do seu plano atual;

Caso seja sua segunda portabilidade, para não ter que cumprir carência, você:

  • Deve ser beneficiário do plano há no mínimo 1 ano.

Desde que esses requisitos sejam cumpridos, a nova operadora não pode exigir que você cumpra novos prazos de carência.

Além disso, caso haja a morte do titular do seu plano ou a operadora que você contratou tenha o registro cancelado pela ANS, você poderá migrar para um novo plano de saúde sem ter que cumprir a carência novamente.

Quer saber mais sobre esse tópico? Acesse nosso artigo sobre portabilidade de planos de saúde!

Agora que o período de carência está mais claro para você, conte para a gente se você tem alguma dúvida a respeito do seu plano. Deixe seu comentário!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest

Deixe uma resposta

1 × três =

Solicite sua cotação

Rio de Janeiro: 2242-1000 | Niterói: 2613-2777 | Campo Grande: 3394-0006 | Duque de Caxias: 3848-3030